CARTA PASTORAL DO PRESIDENTE DO GAFCON - JULHO 2018

Carta do presidente em julho de 2018

5 de julho de 2018

Arcebispo Nicholas Okoh

 

Aos fiéis do movimento Gafcon e amigos do Arcebispo Nicholas Okoh,

Primaz de Toda a Nigéria e Presidente do Conselho de Primazes da Gafcon.

 

Cumprirei para com o Senhor os meus votos,

na presença de todo o seu povo,
nos pátios da casa do Senhor, no seu interior,

ó Jerusalém! Aleluia!

Salmos 116: 18,19

 

Meu querido povo de Deus,

 

Como o salmista dos tempos bíblicos, chegamos a Jerusalém na presença do povo de Deus com grande gratidão. Desde a nossa primeira reunião em 2008, temos visto Deus Todo Poderoso trabalhar poderosamente. Por sua graça, nós provemos um lar para os espiritualmente “sem-teto” e esperança para os anglicanos ortodoxos de todo o mundo que ansiavam ver a reforma e a renovação de nossa amada Comunhão.

 

Expressamos nossa gratidão não apenas pela adoração alegre, mas também pelo compromisso de compartilhar a visão e ação. O salmista disse: "Cumprirei para com o Senhor os meus votos" e essa também é a nossa determinação.

 

Com base na Declaração de Jerusalém de 2008 e no Comunicado e Compromisso de Nairobi de 2013 , focalizamos nossa visão em uma Carta às Igrejas . Nesta 'Carta de Jerusalém' afirmamos, novamente, que nos dedicamos de novo a proclamar fielmente Cristo às nações, trabalhando juntos para guardar o evangelho que nos foi confiado por nosso Senhor e seus apóstolos. Também definimos como este compromisso será demonstrado. Estamos criando estruturas globais, onde se faça necessário, como o Conselho Sinódico, e estamos recomendando os princípios bíblicos comprometidos com as estruturas antigas. Também estamos renovando a maneira de alcançar o mundo com as boas novas de Jesus Cristo em palavras e ações, e para facilitar isso, formamos nove redes globais.

 

Ao assumir esses compromissos, a Gafcon não reivindica jurisdição global. Esse não é o caminho anglicano. Somos uma família de Províncias independentes, mas não somos independentes do Senhorio de Cristo. Nos reunimos para buscar a mente de Cristo, à medida que ouvimos os ensinamentos das Escrituras, enquanto orávamos e adorávamos. Assim, embora os compromissos da Carta de Jerusalém não tenham força jurídica, eles têm autoridade moral e espiritual. Nós juramos proclamar Cristo fielmente. É por isso que viemos a Jerusalém e "na presença de todo o Seu povo" renovamos nossa determinação de agirmos juntos.

 

Por isso, quero exortá-lo a ver a 'Carta de Jerusalém' como um compromisso de aliança não só alegre, mas também solene para a renovação e o reordenamento da Comunhão Anglicana. Nossos críticos nos acusam de ser cismáticos e de querer deixar a Comunhão. Nada poderia estar mais longe da verdade. A questão não é ficar ou partir, mas será que a liderança da Comunhão Anglicana servirá a si mesmo ou servirá ao evangelho? A propagação do evangelho requer a autenticidade do evangelho. Não podemos separar a missão da fidelidade. Como observei no meu discurso como Presidente na conferência, quando eu peço às pessoas do mundo todo que me digam o que é o evangelho, não encontro evangelhos diferentes, mas o mesmo evangelho enfrenta diferentes desafios em diferentes contextos.

 

Foi dito que na nossa Conferência de Jerusalém, a Gafcon chegou à maioridade. Eu acredito que isso é verdade. Este foi o maior encontro anglicano dos últimos cinquenta anos. Nós representamos a clara maioria dos anglicanos ativos globalmente. Estamos colocando em ordem as estruturas que permitirão o fiel anúncio do evangelho em todo o mundo e estamos adicionando novas Províncias à Comunhão. Nós não estamos partindo e não cessaremos até que a Comunhão Anglicana tenha se tornado adequada para o grande propósito de proclamar o evangelho de Deus. Cumpriremos nosso voto e convênio.


 

Revmo. Nicholas D. Okoh

Uma Reflexão Sobre o Caminhemos Juntos na Argentina

foto time Brasil e USA.jpg

Líderes de 8 congregações de 4 Províncias de Argentina (Buenos Aires, Córdoba, Santa Fé e Salta) estiveram presentes no periodo de 31 de maio a 02 de junho de 2018 em Buenos Aires, Argentina, para a primeira conferência de Caminhemos Juntos no Argentina. Parte do evento ocorreu na Igreja San Pedro (Flores) e parte na Igreja San Salvador (Belgrano).

O evento regional, além de contar com o respaldo do Bispo Primaz Greg Venables (que esteve presente na abertura e encerramento) e a participação do Co-Diretor do Caminhemos Juntos, Jonathan Kindberg, ocorreu em conjunto com o Adoremos Juntos (grupo de compositores, músicos e líderes de louvor ligados ao Movimento). Havia também 6 brasileiros que compartilharam tópicos sobre a intercessão e crescimento da Igreja Anglicana no Brasil e participaram do retiro Adoremos Juntos.

Oficinas e discussões em grupo foram realizadas sob o tema de aspectos necessários para a construção de uma Igreja fortalecida e crescente .

Fazia muito tempo que as diferentes igrejas anglicanas da Argentina não se reuniam, se mobilizavam desta maneira para compartilhar, confraternizar, louvar, orar juntos e servir ao Senhor buscando novos direcionamentos para este tempo no país.

Salmos 133:1
“Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união.”

Estiveram presentes seis representantes da nova Província GAFCON no Brasil (Arlinda, Karyna e Thais Souza, Patrícia Neves, Priscila Carriço e Marcos Antônio), pastor Cristóbal Cerón do Chile e os pastores Justin Clifton e Sergio Villanueva dos Estados unidos, líderes do Adoremos Juntos.

Estes compartilharam suas experiências sobre a história do avivamento da Igreja Anglicana no Brasil, importância do discipulado para a missão de evangelização, intercessão e adoração.

Foram três dias onde oramos por mais igrejas, paixão e amor por nossas comunidades, pelos perdidos, propagação da Palavra de Deus nas escolas, no trabalho, etc.

Tivemos excelentes ensinamentos e tempo para ouvir o que Deus está falando, está orientando a ser feito. Em suma : propagar o evangelho aos 4 cantos do mundo !

Agora é a hora. O desafio e ânimo foram lançados, cabendo a cada um de nós “arregaçar as mangas” e dar os primeiros passos para que continuemos caminhando juntos na mão do Senhor.

Deuteronômio 11:23-24
Também o Senhor, de diante de vós, lançará fora todas estas nações, e possuireis nações maiores e mais poderosas do que vós.  Todo o lugar que pisar a planta do vosso pé será vosso; desde o deserto, e desde o Líbano, desde o rio, o rio Eufrates, até ao mar ocidental, será o vosso termo.

Conselho de Primazes da Gafcon, Comunicado Entebbe 2018

21 de Abril de 2018

E irão muitas nações, e dirão: Vinde, e subamos ao monte do Senhor, e à casa do Deus de Jacó, para que nos ensine os seus caminhos, e andemos pelas suas veredas; porque de Sião sairá a lei, e de Jerusalém a palavra do Senhor. Miquéias 4:2

Nós nos reunimos nos dias 16 a 19 de abril de 2018 em Entebbe, Uganda, para compartilhar o estudo da Bíblia, a oração, a adoração e a comunhão. Agradecemos a graciosa hospitalidade do Arcebispo Stanley Ntagali e da Igreja Anglicana de Uganda.

 Começamos nosso dia com estudos bíblicos liderados pelo Bispo Andy Lines, pelo Arcebispo eleito Laurent Mbanda e pelo Arcebispo Onesphore Rwaje. Ao nos encontrarmos, finalizamos nossos planos para a nossa próxima conferência em Jerusalém, discutimos assuntos que afetam nossa vida em comum e recebemos atualizações de nossas províncias e filiais da Gafcon.

Jerusalém 2018: Proclamando Cristo fielmente às nações

A terceira Conferência do Futuro Anglicano Global (Gafcon) será realizada em Jerusalém de 18 a 22 de junho de 2018. Jerusalém tem um lugar especial nos corações dos participantes do movimento Gafcon, pois foi a sede da nossa conferência inaugural em 2008. A cidade permanece como uma constante lembrete da morte e ressurreição de Jesus Cristo, da proclamação do evangelho pelos apóstolos e do nascimento da Igreja. Ao retornar a Jerusalém, estamos expressando nossa determinação de permanecer fiéis aos ensinamentos de Jesus.

O tema da conferência é “Proclamando Cristo fielmente às nações”. Gafcon III oferece autêntica comunhão global na Comunhão Anglicana. Em 2008, mais de 1.100 delegados clérigos e leigos participaram, e na segunda conferência, em Nairobi, em 2013, esse número cresceu para mais de 1.500. Neste décimo aniversário da Gafcon, esperamos cerca de 2.000 delegados de mais de 50 países. Durante a conferência, as sessões plenárias serão traduzidas para o francês, espanhol e português.

 Acolhendo novos primazes

Nós demos as boas-vindas ao Reverendíssimo Justin Badi, Primaz eleito da Província do Sudão do Sul, e ao Reverendíssimo Laurent Mbanda, Primaz eleito da Província de Ruanda. Em suas entronizações, ambos serão elegíveis para a eleição para o Conselho de Primazes.

Reconhecendo uma nova província no Brasil

A Diocese Anglicana do Recife, no Brasil, é uma diocese que se relaciona extra-provincialmente à Gafcon desde 2008. Por meio de seus esforços de plantação de igrejas, a Diocese de Recife está espalhando o evangelho pelo Brasil e se tornou uma província. Nós os reconhecemos como uma província na Comunhão Anglicana e aprovamos a instalação do Rev. Miguel Uchôa como o primeiro Primaz da Província. Estamos ansiosos para que ele seja membro do Conselho dos Primazes.

Acolhendo a nova filial na Irlanda

 Damos graças pela formação da Gafcon Irlanda, a mais nova filial do movimento que foi lançada ontem em Belfast. O trabalho dedicado que tem sido feito por fiéis anglicanos na Irlanda tem sido formidável, e nós o recomendamos como um modelo para a formação de futuras filiais.

Ore pela Igreja Anglicana em Aotearoa, Nova Zelândia e Polinésia

Somos gratos pelo fiel testemunho da filial da Gafcon na Nova Zelândia e nos regozijamos em suas recentes conferências que atraíram cerca de 500 anglicanos fiéis. A Igreja Anglicana em Aotearoa, na Nova Zelândia e na Polinésia lamentavelmente estabeleceram as bases para considerar a aprovação de bênçãos do mesmo sexo. Por favor, ore por nossos irmãos e irmãs enquanto eles permanecem firmes pelo evangelho. Como Primazes da Gafcon, estamos prontos para apoiar e encorajar Anglicanos ortodoxos na província de qualquer forma que pudermos nos próximos dias.

 O Painel de Assistência

No ano passado, estabelecemos o Painel de Assistência para fornecer feedback e aconselhamento ao Conselho de Primazes sobre assuntos que afetam nossa fraternidade. O painel realizou sua primeira rodada de reuniões este ano nas Américas, África, Europa e Oceania. A primeira tarefa dada ao painel foi considerar o relatório do Grupo de Trabalho sobre Mulheres no Episcopado. Este relatório recomendou: “As províncias da Gafcon devem manter a prática histórica da consagração somente dos homens como bispos até e a menos que um forte consenso para mudança emerja após a oração, consulta e o estudo continuado das Escrituras entre a fraternidade da Gafcon.”

 As reuniões regionais do Painel deram um apoio esmagador à recomendação. Por isso, afirmamos nosso compromisso com essa recomendação. Durante nosso tempo juntos, o primaz eleito do Sudão do Sul também apoiou esse compromisso.

Nova Estrutura

 Gafcon é um movimento, mas é mais que um movimento. É também um organismo que autentica aqueles que compartilham um compromisso em comum com a Bíblia e uma herança anglicana em comum. Em 2008, pedimos a formação da Igreja Anglicana na América do Norte, em 2017 consagramos um Bispo Missionário para a Europa, e agora em 2018 afirmamos a formação da Igreja Anglicana no Brasil.

À medida que crescemos na última década, reconhecemos a necessidade de desenvolver mais estrutura para nossa fraternidade, de modo a sustentar nossa vida em comum. O Painel de Assistência tem sido o primeiro passo nessa direção. Em Jerusalém, proporemos que o Painel de Assistência seja expandido para formar um Conselho de Assessores que permitirá a representação de todos os níveis da Igreja (bispos, sacerdotes, diáconos e leigos). Este Conselho, se aprovado pelos delegados em Jerusalém, proporcionaria a oportunidade para cada província e filial de assentar 3 membros no Conselho: um bispo, um pastor / diácono e um membro dos leigos.

 O Encontro de Primazes de Outubro de 2017 em Canterbury (Cantuária)

Alguns de nossos membros que lideram as maiores províncias da Comunhão Anglicana escolheram, em princípio, não comparecer ao Encontro de Primazes de 2017. No entanto, recebemos um relatório dos membros que optaram por participar.

Lamentamos que o Comunicado daquela reunião não tenha descrito com precisão as relações que foram quebradas pela Igreja Episcopal, pela Igreja Anglicana do Canadá e pela Igreja Episcopal Escocesa. Estas províncias rasgaram o tecido da Comunhão Anglicana. Elas não estão andando juntas conosco. O Comunicado também não descreveu com precisão a Igreja Anglicana na América do Norte, que reconhecemos como uma Província na Comunhão Anglicana. Além disso, ao abordar intervenções transfronteiriças, o Comunicado não reconheceu que não há equivalência moral entre a passagem de fronteira, que surge "de uma profunda preocupação pelo bem-estar dos anglicanos em face da inovação" e as próprias inovações (Dar es Salaam Communiqué 2007).

Ficamos desapontados tanto pelo conteúdo do Comunicado quanto pelo processo de produção. O Comunicado não foi disponibilizado até o último dia da reunião, e não houve tempo suficiente para considerar seu conteúdo. No momento em que a confiança entre as províncias da Comunhão Anglicana é excepcionalmente frágil, este não foi um evento que facilitou a cura e a reconciliação. Em vez disso, o Encontro dos Primazes em Canterbury contribuiu para o aprofundamento da divisão em nossa amada Comunhão.

 

O Sul Global da Comunhão Anglicana

Nós damos graças por nossa comunhão com nossos irmãos e irmãs do Sul Global e esperamos aumentar nossa parceria no evangelho. Reconhecemos que nossos chamados complementares dentro da Comunhão Anglicana constroem todo o corpo de Cristo, e o fortalecimento da colaboração entre nós nos traz muita alegria.

Conclusão

Ao nos concentrarmos em Jerusalém, convidamos nossos seguidores a uma temporada de oração. Por favor, orem por uma viagem segura para os nossos delegados, e um novo derramamento da graça de Deus enquanto nos reunimos para proclamar Cristo fielmente às nações.

 Mas a terra se encherá do conhecimento da glória do Senhor, como as águas enchem o mar. Habacuque 2.14

 Primazes:

O Reverendíssimo Nicholas Okoh, Nigéria (Presidente)

O Reverendíssimo Stanley Ntagali, Uganda (Vice-Presidente)

O Reverendíssimo Foley Beach, América do Norte

O Reverendíssimo Jacob Chimeledya, Tanzânia

O Reverendíssimo Masimango Katanda, Congo

O Reverendíssimo Onesphore Rwaje, Ruanda

O Reverendíssimo Gregory Venables, America do Sul


 

 Representantes de Filial:

O Reverendíssimo Glenn Davies, Austrália

Rt Rev. Andy Lines, Reino Unido

Rev. Jay Behan, Nova Zelândia

Observadores:

Primaz eleito, The Rt Rev. Justin Badi, Sudão do Sul

Primaz eleito The Rt Rev. Laurent Mbanda, Ruanda

 

 


 

Carta Pastoral do Presidente do GAFCON - Março 2018 (Português)

marzo.jpg

Para os fiéis do movimento Gafcon e amigos do Arcebispo Nicholas Okoh, Primaz Metropolitano de toda Nigéria e Presidente do Conselho de Primazes do Gafcon.

"Portanto, vocês já não são estrangeiros nem forasteiros, mas concidadãos dos santos e membros da família de Deus,". 
Efésios 2:19


Meu querido povo de Deus,

Nestas palavras do apóstolo Paulo, temos uma descrição maravilhosa do que verdadeiramente significa estar "em comunhão". Como anglicanos, somos membros de uma comunidade global e nossos concidadãos são homens, mulheres e crianças de todas as raças, tribos, nações e origens sociais. Como pessoas que pertencem a Jesus Cristo, compradas pelo sangue derramado, temos uma identidade que transcende a todas as demais e durará até a eternidade.

É por isso que é tão importante que nós, como discípulos de Jesus, mantenhamos a integridade e as disciplinas da família de Deus. O movimento Gafcon começou há quase dez anos atrás porque líderes piedosos reconheceram que a Comunhão Anglicana estava sendo dividida por líderes que rejeitaram a autoridade da Bíblia, negaram a singularidade de Jesus e promoveram padrões de vida que desafiam as Escrituras e rejeitam o padrão da criação divina.

Essas divisões estão se aprofundando e não serão curadas pelas técnicas do mundo corporativo. São problemas espirituais que precisam de soluções espirituais e o primeiro passo é o arrependimento, o que exige que a verdade imutável da Palavra de Deus seja claramente ensinada e executada prontamente. Isto é o que buscamos fazer no Gafcon e onde não há arrependimento, deve haver realinhamento. Isso envolve novas jurisdições, quando necessário, como a Igreja Anglicana da América do Norte, e mudanças nos padrões de relacionamento, dentro e fora do movimento Gafcon.

Por exemplo, elogio a decisão recente do Sínodo Provincial do Sudeste Asiático tanto em declarar a sua comunhão quebrada com a Igreja Episcopal Escocesa por conta da sua aceitação do "casamento" do mesmo sexo quanto em reconhecer a Igreja Anglicana da América do Norte como uma província anglicana máxima.

À medida que esse realinhamento prossegue, como anglicanos ortodoxos podem viver juntos como uma comunidade global que realmente expressa a maravilhosa unidade na diversidade de ser a família de Deus? Embora as instituições globais tradicionais não conseguiram manter a integridade e a unidade da testemunha anglicana, nossas conferências globais realizadas a cada cinco anos têm sido experiências inspiradoras e temos um Conselho de Primazes para proporcionar liderança espiritual.

No entanto, percebemos que nossas estruturas globais precisam de maior profundidade para enfrentar os desafios atuais e os Primazes do Gafcon, portanto, autorizaram a formação de um conselho consultivo conhecido como o Painel de Assistência do Gafcon, ao qual cada respectiva Província e ramo do Gafcon enviará três representantes: um bispo, um membro do clero e um membro dos leigos. Reuniões regionais em preparação para a primeira reunião plenária do Painel de Assistência em Jerusalém já estão em andamento. Os representantes das Américas se encontraram no Chile no mês passado e haverá reuniões em Sydney, Quênia e Inglaterra neste mês.

A diversidade cultural da Comunhão Anglicana não é em si mesma um problema. Só se tornou um problema porque alguns substituíram a moralidade bíblica pela moralidade de sua cultura secular, mas quando os anglicanos se reúnem como a “família de Deus" global dentro de um compromisso compartilhado com o evangelho imutável, que para nós está estabelecido no Tratado e Declaração de Jerusalém, podemos ajudar e guiar um ao outro na tarefa de criar uma testemunha fiel, apropriada aos nossos conceitos, sem ser comprometida.

Nossa irmandade global também deve ser uma em oração. Eu parabenizo e peço orações pelo Bispo de Tanga, Maimbo Mndolwa, escolhido como o próximo Primaz da Tanzânia. Também peço suas orações urgentes pela libertação segura de 110 estudantes raptadas por Boko Haram na semana passada numa escola em Dapchi, uma cidade no nordeste da Nigéria. Muitas das 276 meninas sequestradas em um ataque semelhante em 2014 ainda são mantidas. Que Deus possa confortar os corações quebrantados e traga libertação aos cativos.

Revmo. Nicholas D. Okoh
Arcebispo, Primaz Metropolitano de Toda a Nigéria e Presidente do Conselho de Primazes do Gafcon.

 

Testemunho dos Missionários Brasileiros

Não interrompamos o fluxo de Deus

O intercâmbio em Chicagoland foi verdadeira bênção para nossa Família (eu, meu irmão Brunno, cunhada Arlinda e sobrinha Thais). Sentimento de gratidão por tudo que vivemos, aprendemos e compartilhamos com os membros da Casa San Pablo, Igreja Anglicana Cornerstone Oak Park, La Resurrección, Piedra Principal e Resurrection.

O principal motivo da viagem foi, enquanto família, participar do treinamento MPD da Greenhouse (como comunicar sua visão). Mas desejávamos mais e estendemos a viagem por mais 10 dias com o intuito de participar de ações de evangelização nos USA e aprimorar o aprendizado.

Fez parte desse intercâmbio e aprendizado:

WhatsApp Image 2018-01-18 at 9.24.03 PM.jpeg
  • Assistir à cultos em diferentes comunidades:   
    • Igreja Nueva Vida na comunidade latina La Villita  do Pastor Paco Amador
    • Igreja True Freedom Cornestone na comunidade afro-americana do Pastor Michael Wright
    • Igreja La Resurrección e Piedra Principal na comunidade latina do Pastor Jonathan Kindberg
    • Igreja Ressurrection na comunidade norte americana do Bispo Stewart Ruch III
  • Ação de evangelização Campus Universitário da UIC e College of DuPage;
  • Participação em 4 células com estudo bíblico (comunidade latina e norte americana) ;
  • Ação de evangelização através de um chá com estudo da palavra de Deus (livro de Ester) na casa de Ruth Velazquez e na Casa San Pablo voltado para as mulheres latinas da La Villita
  • Demonstração de trabalho manual para a confecção de tiaras e laços com o objetivo de cativar e aprofundar relacionamento para falar da palavra de Deus;
  • Visita evangelística e para aprofundar relacionamento na casa de 3 famílias das comunidades visitadas.

Vivenciamos na prática a importância do AGIR, FAZER, FALAR e APROFUNDAR sobre o Evangelho para aqueles que principalmente não o conhecem, sem medo, restrições, vergonha.

Muitas vezes, até vivemos o dia-a-dia na igreja, mas não compartilhamos esse sentimento com os outros, vivendo apenas para nós mesmos. E não é isso que Deus nos encoraja fazer! Muito pelo contrário. ELE nos convida a GRANDE COMISSÃO.

Mateus 28:19

"Portanto, vão a todos os povos do mundo e façam com que sejam meus seguidores, batizando esses seguidores em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo."

Então CONFIEMOS NO SENHOR! ELE conta os seus segredos para aqueles que os temem, sussurrando em nossos corações. A gente nunca sabe quando é a nossa hora.

Que Deus possa usar VOCÊ também para escrever, iniciar a história de outras pessoas. Não interrompamos o fluxo, estejamos disponíveis.

EIS-NOS AQUI.

 Karyna Souza

Karyna Souza

Carta Pastoral do Presidente do GAFCON - Fevereiro 2018 (Português)

archbishop-nicholas-d-okoh_trees.jpg

07 de fevereiro de 2018


Meu querido povo de Deus,


‘Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas!’ 2 Coríntios 5:17


As palavras de Deus são palavras poderosas. Elas nunca estão vazias. No início da criação, ‘Deus disse: "Que haja luz" e houve luz’   (Gênesis 1: 3) e quando a palavra de Deus é proclamada fielmente hoje, existe uma nova criação. Foi essa convicção que nos levou a Jerusalém em 2008 e nossa Declaração e Comunicado de Jerusalém começou afirmando que nos reunimos como ‘um movimento espiritual para preservar e promover a verdade e o poder do evangelho da salvação em Jesus Cristo, como nós Anglicanos recebemos isto.’


Não podemos realmente promover o evangelho se não tivermos o cuidado de preservá-lo de distorção ou diluição e, portanto, elogio o Conselho Evangélico da Igreja da Inglaterra (CEII) pelo seu recente documento "Evangelho, Igreja e Casamento: Preservando a Fé Apostólica e a Vida". Numa altura em que a liderança sênior da Igreja da Inglaterra parece incapaz de resistir à pressão para se comprometer com uma cultura altamente secular, é um sinal de esperança de que os líderes evangélicos possam se unir neste sentido.


Eles afirmam que o ensino bíblico e apostólico sobre casamento e sexualidade não é um assunto secundário sobre o qual podemos concordar em discordar, mas é essencial para a integridade do testemunho da Igreja e para o discipulado cristão. Como mostra o Novo Testamento, "os apóstolos tiveram que guardar os limites distintivos da Igreja em questões de doutrina e ética, incluindo a moralidade sexual".


A afirmação insiste em que isso não restringe de modo algum a inclusão da mensagem do evangelho, mas para reter a integridade dessa mensagem, a Igreja da Inglaterra "não deve aceitar ensinar ou afirmar comportamento - de forma implícita ou explícita - que contradiz ou mina os limites estabelecido pelo ensino e prática apostólica ". Onde esse ensino é aceito, a afirmação conclui, deve haver "diferenciação visível", um distanciamento para que a Igreja seja "capaz de oferecer um testemunho fiel e coerente a um mundo confuso e necessitado".


No entanto, a questão que eu humildemente gostaria de perguntar aos meus irmãos e irmãs na Inglaterra é esta: Vocês terão coragem e agirão sobre essas palavras? Como membros da Igreja Matriz da amada Comunhão, vocês têm uma grande responsabilidade. Nós oraremos por vocês e ficaremos com vocês, mas não podemos tolerar vocês. Se vocês não agem, as práticas sexuais e as identidades de gênero que representam uma rejeição radical da vontade e propósito de Deus se tornarão enraizadas e levarão a uma trágica separação da grande maioria da Comunhão.


Nossa necessidade urgente é que a Bíblia seja restaurada ao coração da nossa vida juntos para que nossa identidade anglicana possa ser moldada e ordenada pela Palavra de Deus. Há muito em nossa história compartilhada que podemos agradecer a Deus, mas isso só não nos manterá juntos no presente. Em um mundo globalizado, a visão do Gafcon é ver todo o potencial de nossa Comunhão compreendido como anglicanos fiéis de cada nação, raça e cultura unidos em um testemunho claro, confiante e alegre de Jesus Cristo, que faz todas as coisas novas.


Por favor, orem por uma nova efusão do Espírito Santo de Deus enquanto nos preparamos para a nossa terceira conferência global em Jerusalém, em junho. Eu também recomendo suas orações por aqueles eleitos no mês passado para liderar duas províncias alinhadas ao Gafcon, o Bispo de Maridi, Justin Badi Arama, escolhido como o próximo Primaz do Sudão do Sul, e o Bispo de Shyira, o Dr. Laurent Mbanda, escolhido como o próximo Primaz de Ruanda. Orem por eles enquanto se preparam para assumir o peso dessa grande responsabilidade como líderes em suas Províncias e na Comunhão mais ampla.


O Reverendíssimo Nicholas D. Okoh
Arcebispo, Metropolita e Primaz de toda Nigéria e Presidente, do Conselho de Primazes do GAFCON

"O Despertar de uma Nova Geração: A Geração Calebe"

Mob Anglicana.jpeg

"Então, Calebe fez calar o povo perante Moisés e disse: Eia! Subamos e possuamos a terra, porque, certamente, prevaleceremos contra ela."(Números 13: 30)

Não temendo povos estrangeiros (os amalequitas, os heteus, os jebuseus, os amorreus e os cananeus) ... Não dando importância as cidades mui grandes e fortificadas ... Não considerando a altura assustadora dos filhos de Anaque, Calebe expressou toda a sua fé, determinação e coragem perante os filhos de Israel após expiar a terra prometida por Deus.

Tudo começou com o despertar promovido pela Conferência Caminhemos Juntos 2017 realizada na Paróquia Anglicana do Espiríto Santo (PAES) no Brasil, em Outubro de 2017. Uma nova geração estava nascendo naquele evento. Com o mesmo espírito de Calebe, esta geração nova saiu de Recife, Pernambuco rumo a João Pessoa, na Paraíba, no dia 

15 de Dezembro de 2017. Assim ... Arlinda, Thaís, Brunno, Juliane, Elda, Artur e Marcela se encontraram com o Bispo Flávio, o irmão Valdomiro e o missionário americano Ronald para a realização do primeiro encontro da  parceria entre a Greenhouse e a Igreja Anglicana no Brasil.

Discernir sobre o chamado, promover a integração e fortalecimento do grupo foram os principais objetivos deste encontro na Igreja Anglicana da Videira. Com o cuidado natural de um pastor, o Bispo Flávio nos levou a refletir sobre a seriedade e implicações de fazer missões. Não é uma obra fácil mas fiél é Aquele que nos chamou. Não vamos desistir !!!

A geração Calebe já nasceu. Demos os primeiros passos de muitos. Temos certeza de que Deus nos orientará em tudo. Com a mesma fé, determinação e coragem de Calebe, vamos subir e tomar posse das terras que Deus tem 

Nos prometido. Oh Glória !!! Avante !!!

Brunno Souza

Dois podem andar juntos a menos que estejam de acordo?

   

 

06 de outubro de 2017

Resposta Inicial do Gafcon ao Comunicado do Encontro de Primazes 2017
(O comunicado pode ser encontrado na parte inferior desta página)

 O comunicado de hoje do Encontro de Primazes 2017, em Canterbury, na Inglaterra, é muito decepcionante, mas não é surpreendente. Como dissemos de forma consistente, os atuais "Instrumentos da Unidade" estão quebrados e, como falou o Arcebispo Ntagali, Primaz de Uganda, "todas as tentativas de reparar o tecido rasgado e curar a traição tem feito a situação pior". [1] Isso tem novamente provado ser verdade.    
  
Quando os líderes do Gafcon e do Sul Global, que representam a maioria dos anglicanos do mundo, se encontraram no Cairo no mês passado, foi a oração deles que "o resultado da próxima reunião dos Primazes fosse decisivo e levasse a uma ação coerente e responsável em relação à questões que continuam a destruir o tecido da Comunhão, questões que têm consequências eternas ". [2] A julgar pelo Comunicado, suas esperanças para o encontro foram desapontadas.
 
O Encontro de Primazes foi retratado como um "bom desacordo" sobre questões de sexualidade, e que as convicções teológicas irreconciliáveis ubjacentes as diferentes posições podem ser deixadas de lado por causa da unidade institucional. Mas isso não reflete a realidade. Nós não estamos "andando juntos". [3]                             

O mais significativo é o fato de que vários primazes, incluindo o Presidente e o Vice-Presidente do Conselho de Primazes do Gafcon, se recusaram a participar do encontro. Nas palavras do Arcebispo Nicholas Okoh, Primaz da Igreja da Nigéria, "A presença em Canterbury seria dar credibilidade a um padrão de comportamento que permite que grandes danos sejam feitos para o testemunho e a unidade do anglicanismo global". [4]
 
As consciências dos outros os levaram a participar, a fazer uma defesa robusta do Evangelho. Eles testemunharam fielmente a autoridade do ensino imutável das Escrituras sobre o casamento e as relações humanas. Infelizmente, o chamado dos primazes ao arrependimento não foi atendido por aqueles que procuraram redefinir o casamento. Sem arrependimento, não pode existir reconciliação.

Mais uma vez, vimos a "incapacidade dos instrumentos de comunhão existentes para discernir a verdade e o erro e tomar uma medida eclesiástica vinculativa". Os instrumentos têm novamente não estado à altura da situação na sua capacidade de disciplinar os líderes que abandonaram a fé bíblica e histórica ". [5] A rejeição das Escrituras e as mudanças na prática pastoral que foram iniciadas pela Igreja Episcopal, Igreja Anglicana do Canadá e Igreja Episcopal Escocesa têm rasgado o tecido da Comunhão. Por esta razão, somos gratos pelos primazes que consagraram um bispo missionário para cuidar dos fiéis na Escócia. Não há equivalência moral entre o cruzamento da fronteira, que surge, "de uma profunda preocupação com o bem-estar dos anglicanos diante da inovação", e as próprias inovações (Dar es Salaam Communique 2007).

Como foi dito no início desta semana, seria trágico se encontros como este ou a Conferência de Lambeth fossem nossa única, ou principal, forma de relacionamento anglicano global. Felizmente, o movimento Gafcon nos dá a habilidade de compartilhar uma autêntica comunhão cristã, que, por sua vez, nos constrói para o ministério. O Gafcon continua empenhado em modelar o anglicanismo ortodoxo verdadeiramente global, onde a unidade baseia-se no fundamento bíblico do Evangelho imutável.

Nossa atenção se volta agora para Jerusalém 2018, onde nos reuniremos para comemorar o aniversário de 10 anos do Gafcon e compartilhar a adoração, o ensino e a comunhão.


[1] https://americananglican.org/current-news/reflection-primates-meetings/
[2]http://www.globalsouthanglican.org/index.php/blog/comments/gsp_comm_cairo_sept2017
[3] https://www.gafcon.org/news/we-are-not-walking-together
[4] https://www.gafcon.org/news/chairmans-september-2017-letter
[5] http://www.globalsouthanglican.org/index.php/blog/comments/communique_sixthGSC

Qual é o próximo passo que posso tomar para ser enviado?

Nós tivemos uma maravilhosa semana juntos na Conferência Caminhemos Juntos - Paixão pelas Américas, onde começamos a lançar uma visão a respeito de como seria para a Igreja Anglicana brasileira e latino-americana começar a enviar missionários para asAméricas e para o mundo.

Como bispo missionário e representante da Greenhouse / Sociedad Misionera San Pablo para o Brasil, muitos estão perguntando, qual é o próximo passo que posso tomar para ser enviado? Como posso começar a me preparar para um possível chamado missionário?

O que eu gostaria de sugerir são os 6 próximos passos que você pode tomar:

1.    Comece a discipular outros

2.    Fale com o seu pastor e a sua igreja local

3.    Comece a ler o livro de Atos

4.    Inscreva-se para um dos nossos Treinamentos Intensivos de 3 dias para candidatos missionários

5.    Comece o processo de solicitação para uma viagem de visão / serviço de curto prazo e / ou seja um missionário de longo prazo. Veja: http://www.movimientosanpablo.com

6.    Comece a economizar dinheiro!

 

Aqui eles estão mais detalhadamente:

 

1.    A missão começa onde você está agora. 
Se você não está envolvido em discipular os outros em seu contexto atual, 
comece a orar por oportunidades para começar a compartilhar o Evangelho com 
eles e discipulá-los onde Deus o colocou agora. Leia este artigo sobre o 
desenvolvimento de um estilo de vida missionária.
2.    O primeiro passo para começar este processo é conversar com seu pastor 
local e começar a pedir sua oração e apoio. Missão é algo feito junto como a 
igreja, não individualmente ou por conta própria. Ser enviado e ter a benção 
da sua igreja local é muito importante.
3.    Comece a ler o Livro de Atos e comece a orar regularmente sobre onde Deus 
pode estar chamando você. Ao ler, pergunte: Qual é o papel do Espírito Santo na 
missão? Qual é o papel do Espírito? Quais são os diferentes aspectos que a missão 
envolve?
4.    Participe de um dos nossos Treinamentos Intensivos de 3 dias para pessoas 
interessadas em explorar missão e plantação de igrejas. Aqui está uma lista de 
alguns dos nossos próximos treinamentos:
a.    19 a 24 de janeiro em Chicago, EUA 
  b.    15 a 20 de maio em Fresnillo, Zacatecas, México
  c.    14 a 16 de abril em Buenos Aires, Argentina 
5.    Comece o processo de candidatura para se tornar um missionário Greenhouse /
 Sociedad Misionera San Pablo, preenchendo o formulário de interesse 
 aqui: http://www.movimientosanpablo.com/oportunidades-misioneras/
6.    Comece a economizar dinheiro! Missão, especialmente em outro país, 
requer a compra de bilhetes de avião e há outros custos. Comece a se preparar 
hoje, reservando uma quantidade semanal para as próximas viagens.

 

 O  bispo Flavio  é o bispo missionário da Diocese de Recife no Brasil e o representante da  Greenhouse  e da  Sociedad Misionera San Pablo  no Brasil.

O bispo Flavio é o bispo missionário da Diocese de Recife no Brasil e o representante da Greenhouse e da Sociedad Misionera San Pablo no Brasil.

Carta do Presidente do GAFCON - Março 2017 (Português)

Carta do Presidente – Março de 2017

Aos fiéis do movimento GAFCON e amigos do Arcebispo Nicholas Okoh, Metropolitano e Primaz de toda a Nigéria e Presidente do Conselho dos Primazes da GAFCON

 

Meu querido povo de Deus,

Como destaquei em minha última carta, por causa de nossa história compartilhada, os eventos na Igreja da Inglaterra têm um significado especial para toda a Comunhão Anglicana. É por isso que, neste mês, preciso comentar sobre o voto do Sínodo Geral, em 15 de fevereiro, de não “tomar nota” do relatório da Casa dos Bispos a respeito dos assuntos relacionados aos temas de casamento e sexualidade.

Tal gesto é normalmente uma mera formalidade que precede o debate. Neste caso, pessoas dos dois lados do argumento sobre sexualidade perceberam que o relatório tentou encarar o tema de duas maneiras.  Felizmente, recomendou que não deveria haver mudanças na doutrina do casamento, mas resguardou a possibilidade de que isso poderia mudar no futuro e que, no presente, alinhado às atuais práticas, deveria haver o “máximo de liberdade” pastoral dentro do escopo legal existente.

Seguindo essa repreensão à Casa dos Bispos, os Arcebispos de Canterbury e York, emitiram uma carta que parece entrincheirar a contradição. Eles chamam a uma “radical inclusão de novos Cristãos na Igreja”, que não só se baseia nas fontes tradicionais da autoridade Anglicana, mas ainda sobre o que descreveram como “uma compreensão de ser humano e de ser sexual no século 21”.

Mas a inclusão que o evangelho oferece tem sempre sido radical. Todos estamos incluídos na natureza caída do homem e, ainda assim, inclusos no Reino de Deus através do arrependimento e da fé no Cristo crucificado. E enquanto nós estivermos incluídos no Reino de Deus através da Graça de Deus,precisamos lembrar que essa não é uma graça barata e que existe um grande abismo entre a moralidade da Bíblia e a sexualidade moral neo-pagã, que agora domina o Ocidente. Nós precisamos ser tão claros hoje quanto os apóstolos o foram para as Igrejas do Novo Testamento, deixando evidente que uma nova vida com Cristo significa uma quebra radical com as práticas e estilos de vida do mundo.

No entanto, alguns Bispos têm sido rápidos em abraçar a iniciativa a partir de sua própria interpretação dessa "radical inclusão de novos Cristãos". Por exemplo, o Bispo de Manchester tem chamado para algo "muito maior do que a máxima liberdade" recomendada pelo relatório da Casa dos Bispos, enquanto o Bispo de Selby (um sufragâneo da Diocese de York), tem declarado que "A visão majoritária do Sínodo, portanto, é a de que nós precisamos explorar, mais a frente,  um caminho mais criativo para relacionamentos humanos fidedignos, ao invés de permanecer onde nós estamos".

O efeito do voto no Sínodo Geral depende de como ele é interpretado. Isto pode ter sido uma oportunidade de reafirmar os ensinos apostólicos acerca do casamento e da sexualidade, mas a fala dos Arcebispos sobre a inclusão radical e o subestimado século 21 tem dado grande encorajamento para aqueles que querem trazer a Igreja da Inglaterra para uma posição de maior alinhamento com os valores da sociedade secular.

O resultado é que a mente histórica e bíblica da Igreja, como expresso pelos Bispos da Comunhão Anglicana por meio da Resolução Lambeth I.10 de 1998, está agora sendo degradada a algo provisório e secundário. Nós devemos muito aos Cristãos da Grã-Bretanha e não menos à Igreja da Inglaterra, então é bastante angustiante ver toda a confusão que está agora em risco de ser espalhada pelo resto da Comunhão.

No entanto, ainda há esperança. Como a GAFCON UK já havia recomendado, "A Confusão criada pelo voto do Sínodo Geral em 15 de fevereiro deixa abundantemente claro que uma nova visão do que o Cristianismo Anglicano na Inglaterra é ou deveria ser, é agora necessária." O GAFCON existe para prover uma nova visão de uma vibrante parceria em missões para a Comunhão Anglicana como um todo. Nenhum dos fiéis Anglicanos serão abandonados ou deixados para trás.

Em tempos difíceis como estes, é importante recuperar a perspectiva bíblica de que "não temos aqui nenhuma cidade permanente, mas buscamos a que há de vir" (Hebreus 13.14). O que nos define não é um lugar, mas uma pessoa, o Senhor Jesus Cristo, e nossa última autoridade não é uma instituição humana, mas a Palavra de Deus. Nós nos reunimos em Jerusalém, em 2006, no lugar que testemunhou os poderosos atos de Deus na morte e na ressurreição de seu Filho e de onde os apóstolos foram enviados para toda a terra. Nós devemos retornar no próximo ano cheios de gratidão a Deus por seu contínuo favor, mas nossos olhos estarão sobre a santa Jerusalém, a Cidade de Deus, da qual somos membros pela graça e para a qual ansiamos sua total revelação quando do retorno de Jesus.

Enquanto isso, mantenhamo-nos sempre em oração por aqueles que têm sofrido tribulações em nossa família Anglicana. A Igreja da Nigéria e outras Anglicanas ao redor do mundo enviaram recentemente fundos para ajudar a Diocese Marsabit, no norte do Quênia, e parte da Igreja de Uganda, que vivem assoladas por uma severa seca, que afeta toda uma região de abrigo a refugiados. Por favor, ore por chuva e pelo suprimento de Deus. Aqui na Nigéria nós também estamos enviando materiais de alívio para as vítimas dos assassinatos no Sul de Kaduna, que continuam acontecendo.

Finalmente, eu gostaria de registrar que a Igreja da Nigéria perdeu, lamentavelmente, para a morte, um de seus corajosos Bispos no eixo Nordeste, o Reverendíssimo Emmanuel Kana Mani. Ele será cremado no dia 15 de março de 2017, em Maiduguri.

Reverendíssimo Nicholas D. Okoh

Arcebispo, Metropolitano e Primaz de toda a Nigéria e Presidente do Conselho de Primazes da GAFCON

Carta do Presidente do GAFCON - Fevereiro de 2017

Aos fiéis e amigos do movimento GAFCON, do Arcebispo Nicholas Okoh, Primaz Metropolitano de toda a Nigéria e Presidente do Conselho dos Primazes da GAFCON.

Meu querido povo de Deus,

Uma diocese de outra província africana alinhada à GAFCON decidiu recentemente fazer uma generosa doação anual para o GAFCON, para o que o bispo descreveu como uma “causa nobre”. Ele está certo, e nós deveríamos estar confiantes abraçar essa afirmação para o nosso movimento. Não que reclamemos qualquer nobreza para nós mesmos. Nós somos pecadores salvos pela graça, mas a graça de Deus que age em nossas vidas nos leva ao desejo de que nossas Igrejas deveriam estar alinhadas com os Seus nobres e redentores propósitos, conforme revelado a nós por Seu filho e nos confiado nas inspiradas escrituras.

O apóstolo Paulo escreve: “Esta é uma declaração confiável: Quem quer que aspire ser um encarregado da obra de Deus, deseja uma tarefa nobre” (1 Timóteo 3.1). Para os anglicanos, bispos têm uma responsabilidade particular de vigilância divina para garantir a saúde espiritual daqueles com os quais, com o seu trabalho, compartilham “a cura das almas”. Então o que nós podemos entender pelo relatório recente divulgado pela Casa dos Bispos da Igreja da Inglaterra sobre a questão do casamento e do relacionamento entre pessoas do mesmo sexo? A que ponto isso reflete a “nobre tarefa” da vigilância divina?

O relatório não recomenda mudanças no ensinamento oficial da Igreja da Inglaterra a respeito do casamento e das relações sexuais, pelo que devemos ser agradecidos. Considerando que os bispos resistiram à pressão de seguir o caminho da Igreja Episcopal dos Estados Unidos, da Igreja Anglicana do Canadá e da Igreja Episcopal Escocesa, de mudar a definição de casamento.

Existem, no entanto, sérias preocupações. É instado que precisamos procurar posições contraditórias para resolver questões que são “de alguma maneira ocultas de nós” (parágrafo 8). Não há razão para tal otimismo, mas um dos pontos centrais do relatório também afirma que ainda é possível que os anglicanos “caminhem juntos” (parágrafo 59), e que foi esse o acordo firmado entre os Primazes Anglicanos, quando se reuniram em Canterbury em janeiro de 2016.

O que realmente concordamos em nossa resolução de Canterbury foi que enquanto “for nosso desejo unânime andarmos juntos”, as ações da Igreja Episcopal “prejudicam ainda mais a nossa comunhão”. Isso está alinhado com a Afirmação e a Declaração de Jerusalém, que identifica a rejeição do ensinamento apostólico sobre sexualidade e casamento como uma manifestação de um “falso evangelho”, que requer disciplina divina.

Assim sendo, parece que os bispos da Igreja da Inglaterra recomendaram a coisa certa pela razão errada. Eles mantiveram os ensinamentos tradicionais da Igreja, não porque isso representa um marco apostólico, mas porque acreditam que manter juntas visões opostas pode, eventualmente, corresponder em algum tipo de consenso.

Esse entendimento é confirmado pelo fato de que o relatório encoraja o relaxamento da disciplina da igreja e confunde a sensibilidade pastoral com uma cultura permissiva da Igreja, que já tolera, na prática, clérigos que contrataram “casamentos” entre pessoas do mesmo sexo. A inclusão do chamado à oração Islâmica na Catedral de Gloucester como parte de suas celebrações de múltiplos credos indica que os desafios práticos da doutrina Anglicana na Igreja da Inglaterra não serão limitados a questões de casamento e sexualidade. Isso aconteceu logo após a leitura de uma passagem do Alcorão, que nega a divindade de Jesus, durante um culto epifânico da Santa Comunhão da Catedral Cscocesa da Igreja Episcopal de Santa Maria, em Glascow. Tal ação foi fortemente desafiada pela GAFCON do Reino Unido.

O que acontece na Igreja da Inglaterra deve afetar a habilidade do Arcebispo de Canterbury the reunir a Comunhão global. Tem havido certa especulação se os Primazes da GAFCON irão ou não atender a próxima Reunião dos Primazes de Canterbury, marcada para outubro deste ano. Nós ainda temos de nos encontrar para uma discussão formal, mas, juntos aos nossos irmãos Primazes no Cairo, na Conferência Global do Sul, em outubro último, nós veiculamos um comunicado que deixou claro que perdemos confiança nas instituições da Comunhão alocadas em Canterbury.

Nós dizemos “Os agentes também enviaram sinais de conflito sobre questões de disciplina que confundem todo o Corpo e enfraquecem a nossa confiança neles”. Infelizmente, a despeito de seus méritos, o relatório da Casa Inglesa dos Bispos teve efeito similar.

 

Finalmente, deixe-me oferecer um tributo ao Reverendo Dr. Mike Ovey, Reitor da Faculdade de Teologia Oak Hill, em Londres, cuja repentina morte chocou e entristeceu tantos de nós da família GAFCON e além. A vida dele foi um excepcional exemplo de alguém que abraçou a nobre tarefa de ensinar a Palavra de Deus com paixão, coragem e enorme clareza.

 

Nenhum de nós que esteve na GAFCON de 2013, em Nairóbi, vai esquecer o seu discurso “A graça de Deus ou a palavra do Ocidente?”. Ele nos mostrou o quão profundamente as Igrejas do Ocidente tem sido moldadas pela “pobre graça”, focada nos sentimentos de direito e amor próprio dos indivíduos, em contraste à maravilhosa graça de Deus, que é recebida pelo arrependimento e pela fé e dá frutos em vidas de discípulos fiéis. Faço minhas as suas palavras finais:

“As necessidades do mundo são muitas, nós todos sabemos disso, mas essa é a necessidade fundamental do mundo, que seus pecados sejam perdoados. E é por isso que se faz absolutamente imperativo que nós da GAFCON preguemos não uma reles graça, mas uma dispendiosa graça para o mundo, não porque odiemos o mundo, mas porque o amamos, assim como nosso Salvador também o amou.”

Reverendíssimo Nicholas D. Okoh

Arcebispo, Metropólitano e Primaz de Toda a Nigéria, e Presidente do Conselho de Primazes da GAFCON.

GAFCON REVISÃO DE FIM DE ANO 2016

Conforme encerramos 2016, achamos que talvez você quisesse nos acompanhar numa reflexão sobre os momentos mais importantes do ano da Gafcon. Você pode encontrar uma revisão de 2016 aqui (link).

O Arcebispo Nicholas Okoh afirma em sua introdução: "nós agradecemos imensamente a Deus por sua graça no trabalho que tem feito entre nós". Por favor, use essa revisão para alimentar ainda mais as suas orações de ação de graças e louvor.

GAFCON

REVISÃO DE 2016

"A Gafcon está permitindo à Comunhão Anglicana se encaixar aos propósitos de Deus para o século 21. Nós estamos unindo Anglicanos ao redor do mundo para serem fiéis testemunhas de Jesus Cristo e recuperar a verdade bíblica onde ela tiver sido comprometida. Ainda há muito o que fazer, mas nós agradecemos imensamente a Deus por sua graça no trabalho que tem feito entre nós."

Arcebispo Nicholas Okoh, presidente da Gafcon

 

Aqui estão alguns destaques de 2016:

EQUIPANDO

A Conferência inaugural do Instituto Gafcon de Treinamento para Bispos, em Setembro, no Centro de Conferências Brackenhurst, próximo a Nairobi, no Kênia, liderado pelo Diretor de RT, Reverendo Dr. Samson Mwaluda, foi bastante encorajadora. Cerca de trinta recém-consagrados bispos de cinco países diferentes estiveram presentes, para oito dias de companheirismo, trocas, aprendizado, discussões robustas e diversão. A próxima conferência está programada para Maio de 2017 e já há uma lista de espera.

Nós também atualizamos o website da Gafcon este ano para que todos os nossos apoiadores possam se manter informados e equipados com conteúdos regulares de alta qualidade.

PROTEGENDO

Em janeiro, os Primados da Gafcon, incluindo o Arcebispo Foley Beach, desempenharam papel de liderança na reunião dos Primados da Comunhão Anglicana em Canterbury, convocada pelo Arcebispo Justin Welby, o Arcebispo de Canterbury. Ali, os Primados reunidos votaram em maioria para a aplicação de medidas disciplinares à Igreja Episcopal dos Estados Unidos, depois da adoção oficial, por parte desta última, do "casamento" entre pessoas do mesmo sexo. Enquanto tais "consequências" (como assim preferiu denominá-las o Arcebispo Welby) não foram seguidas conforme pretendiam os Primados, a reunião estabeleceu de forma clara a voz dos Primados de Gafcon como a liderança ortodoxa da Comunhão, tendo sido largamente citados pela BBC e por outras organizações da mídia internacional.

Enquanto isso, violações do pensamento bíblico e do colegiado da Comunhão a respeito de temas como casamento e sexualidade, conforme expresso na Resolução de Lambeth I.10, de 1998, tem continuado na própria Igreja da Inglaterra, conforme revisionistas os estabeleceram, como "fatos sobre o chão". No mês passado, a Gafcon UK (Reino Unido) corajosamente atraiu a atenção internacional para essa tendência.

ENCONTRO

Um Conselho expandido dos Primados de Gafcon, que incluiu representantes de dez províncias, se reuniu em Nairóbi, em abril. Enquanto eles se encontravam, um novo braço do movimento estava sendo inaugurado na Nova Zelândia, seguindo o exemplo da Austrália, onde um novo ramo já havia sido formado em janeiro.

Em seu Comunicado (Communiqué), os Primados anunciaram que a Gafcon 2018 seria realizada em Jerusalém, num retorno ao lugar onde o movimento teve início. Eles afirmaram: "Estamos animados de nos reunirmos para um culto de adoração que representa a largura da Comunhão Anglicana, conforme nos juntamos abaixo da autoridade da Bíblia. A conferência irá promover o ensinamento da Palavra de Deus, um companheirismo que ultrapassa continentes e sessões inovadoras que tratarão de temas como missão, discipulado e evangelismo, especialmente em lugares onde a perseguição é abundante."

TESTEMUNHANDO

A histórica Declaração e Afirmação de Jerusalém, de 2008, conclui com as palavras: "A razão primeira de termos vindo a Jerusalém e de termos emitido esta declaração é a de libertar as nossas igrejas para que elas possam dar um claro e seguro testemunho de Jesus Cristo". Tudo o que fazemos é com esse desejo em nossos corações. Todas as nossas províncias devem a sua existência a esse impulso missionário e ele permanece central à sua vivência. Agora, essa parceria dentro do movimento Gafcon nos ajuda a estimular novas iniciativas de missões ao redor do mundo. Aqui estão apenas dois exemplos:

- A Igreja Anglicana da América do Norte (ACNA) está agora linkada à Diocese do Recife, no Brasil, e à Igreja Anglicana da América do Sul, ambas alinhadas à Gafcon, para, juntas, formarem o "Caminhemos Juntos", uma iniciativa evangelística de plantação de igrejas. O Arcebispo Ben Kwashi discursou na Conferência do projeto, realizada em Outubro, que já envolve doze nações e procura alcançar ainda mais pessoas através das Américas.

- Em setembro, a Missão Anglicana na Inglaterra (AMiE, na sigla em inglês), que é uma sociedade missionária da Gafcon, anunciou planos pioneiros de abertura de 25 novas igrejas locais até 2020 e até 250 paróquias até 2050.

"Até aqui tem nos ajudado o Senhor."

1 Samuel 7:12

Em suma: Caminhando Juntos nas Américas – Uma consulta sobre o avanço da missão Anglicana e da plantação de Igrejas

12 países, 3 línguas e mais de 300 pessoas (nas plenárias abertas), juntos por um Senhor e um apelo: alcançar as Américas para Cristo. O Movimento Caminhemos Juntos, numa parceria da Igreja Anglicana do Chile e da Diocese do Recife, hospedou esse histórico encontro, com o tema: MOVER! Baseado em Atos 2:41-47. Um texto que destaca pelo menos cinco aspectos de todo verdadeiro MOVER de Deus: Multiplicação, Oração, Verdade Bíblica, Espírito Santo, Renovação. Esses foram os temas sobre os quais palestrantes e pregadores falaram e que também foram discutidos dentro dos pequenos grupos.

Uma presença especial e abençoada no encontro foi a do Arcebispo Benjamin Kwashi, Arcebispo da Diocese Anglicana de Jos, na Nigeria. O desejo era de aprender com o crecimento exponencial e com a plantação de centenas de igrejas que tem experimentado a Igreja Anglicana da Nigéria.

 Arcebispo Benjamin Kwashi, Arcebispo da Diocese Anglicana de Jos, na Nigeria

Arcebispo Benjamin Kwashi, Arcebispo da Diocese Anglicana de Jos, na Nigeria

Outro destaque foi a noite de adoração liderada pelo cantor e compositor Santiago Benavides, que, através de músicas bem-humoradas e cristãs, nos convidou a entrar num “lugar chamado graça”. Durante os momentos de adoração, em todo a consulta, foram cantadas músicas de adoração compostas no retiro de Adoração Unida, realizado como parte da conferência do Caminhemos Juntos nos Estados Unidos.

Testemunhos da Colômbia, do México e da Diocese do Recife, no Brasil, também foram compartilhados durante o evento.

Qual foi o resultado dessa consulta?

Nos chamamos este encontro de “consulta” porque estávamos consultando a Deus e a cada um de nós: “o que é que Deus deseja fazer nas Américas através de nós?” Foram algumas das coisas que escutamos e recebemos.

1) A visão e a missão do Caminhemos Juntos foi esclarecida:

A visão do Caminhemos Juntos é de “unificar a Igreja Anglicana nas Américas, abaixo da autoridade da Palavra de Deus e proclamar Jesus e plantar igrejas através do poder do Espírito Santo, em prol da expansão do Reino e para a glória do Pai.”

Tivemos 11 países das Américas (mais a Nigéria) presentes, no entanto, outros 24 países não compareceram, como Venezuela, Guatemala e a República Dominicana. Nós gostaríamos de alcançar esses países e extender esse MOVER de Deus também a essas áreas.

2) Modelos e recursos para a plantação de igrejas foram compartilhados, incluindo: um manual para intalação de igrejas, desenvolvido no Chile e chamado de Modelo Estufa, o modelo de grupos de células, utilizado no Recife, e o modelo para levantar líderes, pensado por Cristobal Cerón e usado em diversos programas no Chile.

3) Houve um grande senso de unidade e companherismo. Um comentário comum de muitos foi: “Nós não estamos mais sozinhos!”

4) Uma liderança a nível continental foi esclarecida: o Bispo Tito Zavalia, o Bispo Miguel Uchoa , Rev. William Beasley e Rev. Jonathan Kindberg serão os líderes a guiar o movimento, que também contatá com o apoio de líderes locais e nacionais.

O que vem a seguir?

1)   Nosso próximo encontro na América do Sul acontecerá entre os dias 5 e 7 de Outubro de 2017, no Recife, Brasil. Guarde esta data!

2)   Nós iremos iniciar uma rede de suporte para a abertura de novas igrejas em regiões em que não hajam muitas congregações ou recursos.

3)   Continuamos a solidificar o nascente moviento de oração e vamos também proceguir com os dias de oração e jejum mensais, nos primeiros sábados do mês, em prol do MOVER de Deus nas Américas.

4)   Contuniaremos a aprofundar nossas fundamentações bíblicas e teológicas para a união e a missão.

5)   Continuaremos a explorar formas de equipar e treinar, bíblica e teologicamente, líderes e multiplicadores de igrejas.

6)   Promoveremos oportunidades de missões e de plantação de igrejas, a curto e longo prazo, tal como o Encontro Matrimonial de Missionários do Chile está levando ao México, e oportunidades, através do Movimento Estufa (Greenhouse Movement – Movimiento Misionero San Pablo), em Chicago, Brownsville, Texas e Guadalajara, México.